Comunicado SMEF, Belo Horizonte 12/02/2019.

Comunicado SMEF, Belo Horizonte 12/02/2019.


A Sociedade Mineira de Engenheiros Florestais (SMEF), vem por meio desta, informar a todos a impossibilidade da realização do Curso de Orçamentos e Licitações Públicas e Privadas – Com uso de planilha eletrônica (Excel) , no período definido para o mês de fevereiro de 2019.

O curso será agendado para uma nova data que em breve será informada a todos.

Contamos com a compreensão de todos!

 

Atenciosamente,

Gabriel Moreira Junqueira
Presidente da SMEF

Paraná passa a contar com Plano Estadual de Florestas Plantadas

Paraná passa a contar com Plano Estadual de Florestas Plantadas

O Paraná, maior produtor de madeira plantada do Brasil, passa a partir de agora a contar com o Plano Estadual de Florestas Plantadas. Para sua elaboração, o instrumento teve a contribuição decisiva da FAEP e outras entidades públicas e privadas, coordenadas pelo Instituto Emater. O novo marco legal institui atribuições e define conceitos e ações que vão possibilitar a participação de todos os envolvidos na cadeia produtiva no desenvolvimento do setor no Estado. A Lei 19.810/2019 foi instituída pela Assembleia Legislativa do Estado do Paraná e passa a valer desde sua publicação no Diário Oficial, no dia 24 de janeiro de 2019.

“Esta é uma conquista para o agronegócio paranaense. O Estado tem na produção de madeira plantada uma fonte que gera R$ 3,7 bilhões de valor de produção e milhares de empregos, abastecendo tanto ao mercado interno quanto a outros países por meio das exportações. Esta Lei vai estimular a produção e o desenvolvimento florestal regional, além de fornecer apoio às empresas e indústrias de todos os setores envolvidos na cadeia produtiva”, aponta o presidente da FAEP, Ágide Meneguette.

Uma das mudanças principais promovidas pela Lei é o fato de que volta a ser atribuição da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab) a função administrativa denominada ‘Autoridade de Florestas Plantadas’, o que até a aprovação dessa nova regra cabia ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP). A partir e agora, cabe a Seab exercer as funções de controle, monitoramento e fomento. Também é função da pasta apoiar atividades e atuar em cooperação com os órgãos estaduais de pesquisa agropecuária e de extensão rural.

Além disso, por meio do chamado Conselho Estadual de Florestas Plantadas, será viabilizada a participação das entidades representativas, o que deverá ser revertido em benefícios à cadeia produtiva florestal. Nessa mesma direção, haverá um cadastro único de produtores e consumidores de matéria prima florestal, com a intenção de reduzir a burocracia e facilitar o controle.

Responsabilidades

De acordo com a nova Lei, a Autoridade de Florestas Plantadas estimulará o cultivo florestal, decorrente de florestas plantadas, restauração florestal, reposição florestal ou talhadia (desbaste). Isso deve ser feito por meio de programas de desenvolvimento do setor e apoio ao livre exercício desta atividade econômica, respeitada a legislação vigente, bem como a garantia de sua utilização. A Autoridade de Florestas Plantadas ficará responsável também por manter o controle estatístico e informativo da disponibilidade, consumo, preços e plantio econômico de florestas, bem como produtos florestais, madeireiros e não madeireiros, em suas várias formas e fases, divulgando anualmente estas informações.

FONTE: https://paranaportal.uol.com.br

A 7ª Conferência Internacional Sobre Incêndios Florestais acontecerá em Campo Grande/MS

A 7ª Conferência Internacional Sobre Incêndios Florestais acontecerá em Campo Grande/MS

A Conferência Internacional sobre Incêndios Florestais é um espaço de debate para profissionais que atuam no manejo do fogo e no controle de incêndios florestais no mundo todo, tais como tomadores de decisão, políticos e pesquisadores. Um dos objetivos da Conferência é fomentar discussões e divulgar trabalhos sobre os impactos do fogo para as pessoas, comunidades, recursos e ecossistemas em todas as regiões do mundo. A Conferência também é um espaço para promover a cooperação internacional e a ajuda humanitária, consolidando a Estratégia Global para o gerenciamento de incêndios e o manejo do fogo. Durante o evento, também acontece uma feira, cujo objetivo é atrair empresas, instituições de pesquisa e especialistas no tema para exporem novas tecnologias, produtos e métodos para o manejo do fogo e o controle de incêndios florestais, em estreita interação com os participantes da Conferência.

Nordeste apresenta os mais baixos índices de adesão ao CAR

Nordeste apresenta os mais baixos índices de adesão ao CAR

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) constatou que os proprietários de imóveis rurais do Nordeste continuam enfrentando dificuldades no processo de adesão ao Cadastro Ambiental Rural (CAR), cujo prazo final termina no dia 5 de maio.

Os dados mais recentes divulgados pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão do Ministério do Meio Ambiente, indicam que o pior desempenho está registrado no Estado de Pernambuco, com apenas 13,6% de adesão. Em seguida aparece Alagoas (15,64%), Paraíba (17,34%) e Bahia (25,44%).

Entretanto, os números gerais, incluindo os 26 estados da Federação, além do Distrito Federal, apresentam melhoria significativa no registro no Cadastro, 67,6%, segundo o levantamento mais recente. O ponto fora da curva dentre os nove estados nordestinos é o Maranhão, com adesão de 100% dos donos de imóveis rurais. Na mesma situação encontram-se os estados de Roraima, Rio de Janeiro, Rondônia, Amazonas e Acre. Já São Paulo conta com 75,5% de adesão ao CAR.

As dificuldades enfrentadas, especialmente dos pequenos proprietários, estão ligadas aos aspectos técnicos do Código Florestal, e a lentidão do acesso à internet, especialmente nas cidades de pequeno e médio porte do interior do País.

Sobretudo, para permitir que os proprietários de imóveis rurais possam fazer a adesão ao CAR, com mais facilidade e informações detalhadas, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), entidade do sistema CNA, oferece em seu portal de educação a distância (ead.senar.org.br) curso gratuito, ensinando o passo a passo do CAR. O curso Cadastro Ambiental Rural é livre e pode ser feito por qualquer pessoa com 18 anos de idade ou mais.

Diante deste quadro, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) reforça o alerta aos produtores rurais com passivo ambiental que, não aderindo ao CAR até o dia 5 de maio, poderão enfrentar problemas.

Fonte: DCI

DOCUMENTOS

DOCUMENTOS

Donec in pulvinar orci. Proin id accumsan justo. Vestibulum fringilla id velit eu congue. Pellentesque at lacinia libero. Nullam volutpat ullamcorper arcu. Donec ac interdum neque, ac feugiat diam. Nam tincidunt cursus laoreet. Donec facilisis tincidunt arcu eget lacinia. Vivamus sed auctor dui. Duis vel augue et augue feugiat pretium dictum sed nibh. Integer pellentesque auctor dui ac finibus. Vestibulum lobortis sollicitudin turpis eget commodo. Maecenas hendrerit felis id leo pellentesque vestibulum.

TRABALHO

TRABALHO

O Engenheiro Florestal

O Engenheiro Florestal é o profissional apto a avaliar o potencial biológico dos ecossistemas florestais, e assim, planejar e organizar o seu aproveitamento racional de forma sustentável, garantindo sua perpetuação e a manutenção das formas de vida animal e vegetal.

Esta aptidão se deve a uma formação coerente com uma seqüência de disciplinas teóricas, práticas, de campo e laboratórios, que possibilitam uma profissionalização nas áreas de manejo florestal, ecologia aplicada e tecnologia de produtos florestais, propiciando uma formação que abrange os aspectos ambientais, sociais e econômicos da atividade florestal.

Assim, numa economia com demandas crescentes de produtos de origem florestal, o papel do Engenheiro Florestal é de crescente importância técnica e valorização profissional, considerando que o Brasil possui cerca de 30% das florestas tropicais do mundo e plantações florestais de altíssima produtividade.

Em suma é o profissional necessário para o bom andamento das atividades de Manejo Florestal, Ecologia Aplicada e Tecnologia de Produtos Florestais entre outras.

INSTITUIÇÕES DE ENSINO DE ENGENHARIA FLORESTAL NO BRASIL

INSTITUIÇÕES DE ENSINO DE ENGENHARIA FLORESTAL NO BRASIL

HISTÓRICO

A primeira escola a estudar e a formar especialistas em ciência florestal, no mundo, foi criada em 1811 em Tharandt, na Alemanha. Em 1825 foi fundada, também na Alemanha, a Universidade de Gissem, e em 1830 a Academia de Eberswald e a Academia Florestal de Eisenach. Alguns anos mais tarde surgiram as Universidades de Carlsruhe, Munich e Tubigem, que também ministram cursos de Engenharia Florestal.

A partir de então, outros países também criaram o curso. Na Europa, cada país possui pelo menos uma escola de Engenharia Florestal.

Na América, a primeira escola foi fundada em 1895, em Baltimore, nos Estados Unidos. Até 1955 estes países contavam com 37 escolas e formavam mais de 1000 engenheiros florestais por ano. Os outros países da América que contam com o curso de Engenharia Florestal são: Brasil, Canadá, México, Costa Rica, Chile, Argentina, Venezuela, Cuba e Colômbia. No Brasil, a primeira escola foi instalada em 1960 na cidade de Viçosa, Minas Gerais. Esta escola foi transferida para Curitiba em 1964, e neste mesmo ano foi criada, através de decreto, a Escola Superior de Florestas na atual Universidade Federal de Viçosa… NA PAGINA PRINCIPAL

Fonte: Furb

As Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras podem ser públicas ou privadas. As instituições públicas de ensino são aquelas mantidas pelo Poder Público, na forma (1) Federal, (2) Estadual ou (3) Municipal. Essas instituições são financiadas pelo Estado, e não cobram matrícula ou mensalidade.

Já as IES privadas são administradas por pessoas físicas ou jurídicas de direito privado, com ou sem finalidade de lucro. As instituições privadas sem finalidade de lucro são as :

  1. comunitárias, que incluem em sua entidade mantenedora representantes da comunidade;
  2. confessionais, que atendem a determinada orientação confessional e ideológica; e
  3. filantrópicas, que prestam serviços à população, em caráter complementar às atividades do Estado (art. 20 da LDB).

No que diz respeito à classificação acadêmico-administrativa, as IES podem receber diferentes denominações.

A mais estrita, definida na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, é a Universidade. Trata-se de instituição acadêmica pluridisciplinar que conta com produção intelectual institucionalizada, além de apresentar requisitos mínimos de titulação acadêmica (um terço de mestres e doutores) e carga de trabalho do corpo docente (um terço em regime integral). É autônoma para criar cursos e sedes acadêmicas e administrativas, expedir diplomas, fixar currículos e número de vagas, firmar contratos, acordos e convênios, entre outras ações, respeitadas as legislações vigentes e a norma constitucional.

O Centro Universitário é instituição pluricurricular, que abrange uma ou mais áreas do conhecimento. É semelhante à Universidade em termos de estrutura ,mas não está definido na Lei de Diretrizes e Bases e não apresenta o requisito da pesquisa institucionalizada.

A Faculdade tem duas conotações. A primeira é a de uma Instituição de Ensino Superior que não apresenta autonomia para conferir títulos e diplomas, os quais devem ser registrados por uma Universidade. Além disso, não tem a função de promover a pós-graduação. O segundo sentido é aplicado para se referir a unidades orgânicas de uma Universidade. Ex.: Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco.

Os Institutos Federais são unidades voltadas à formação técnica, com capacitação profissional em áreas diversas. Oferecem ensino médio integrado ao ensino técnico, cursos técnicos, cursos superiores de tecnologia, licenciaturas e pós-graduação. A denominação remonta à Lei 11.892/08, que renomeou os Centros Federais de Educação Profissional e Tecnológica (Cefets) e as Escolas Técnicas.

Fonte: http://www.dce.mre.gov.br/nomenclatura_cursos.html

Codigo Nome Curso Privado/Publico Instituição de Ensino Cidade/UF Nota CC Nota CPC Nota ENADE
10 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFMT – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CUIABA / MT 3 3
139 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UNB – UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA BRASILIA / DF 4 4
385 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFAM – UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS MANAUS / AM 4 3 3
692 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFV – UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VICOSA / MG 5 5
2895 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual USP – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SAO PAULO / SP
3191 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UNESP – UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO SAO PAULO / SP 4 3
3684 ENGENHARIA FLORESTAL Municipal FURB – UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU BLUMENAU / SC 3 3
9126 ENGENHARIA FLORESTAL Municipal UNC – UNIVERSIDADE DO CONTESTADO MAFRA / SC 3 2
12587 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFPR – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURITIBA / PR 3 3
12907 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRRJ – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO SEROPEDICA / RJ 4 4
13456 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFCG – UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMPINA GRANDE / PB 3 3
13856 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFSM – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SANTA MARIA / RS 3 2
14503 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRPE – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO RECIFE / PE 3 2
14558 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRA – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA BELEM / PA 4 3 3
14580 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFLA – UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS LAVRAS / MG 5 5
17260 ENGENHARIA FLORESTAL Privada FAEF – FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL DE GARÇA GARCA / SP 4 3
19263 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UNICENTRO – UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE GUARAPUAVA / PR 4 4
20038 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFES – UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO VITORIA / ES 4 4 4
21846 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFAC – UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE RIO BRANCO / AC 5 3 3
48915 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFVJM – UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA / MG 3 4 4
49069 ENGENHARIA FLORESTAL Privada FARO – FACULDADE DE RONDÔNIA PORTO VELHO / RO 3 2 2
49673 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFS – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE SAO CRISTOVAO / SE 5 3 3
50796 ENGENHARIA FLORESTAL Privada FAIT – FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ITAPEVA / SP 3 3
51648 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UNEMAT – UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CACERES / MT 3 3
57258 ENGENHARIA FLORESTAL Privada IMMES – INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR MACAPA / AP 2 2
58826 ENGENHARIA FLORESTAL Privada ULT – UNIÃO LATINO-AMERICADA DE TECNOLOGIA JAGUARIAIVA / PR 2 3
59545 ENGENHARIA FLORESTAL Privada ULT – UNIÃO LATINO-AMERICADA DE TECNOLOGIA JAGUARIAIVA / PR 4 3 2
70114 ENGENHARIA FLORESTAL Municipal UNIFIMES – CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS MINEIROS / GO 2 2
70917 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEA – UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS MANAUS / AM 2
72791 ENGENHARIA FLORESTAL Municipal UNOESC – UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA JOACABA / SC SC SC
81538 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UDESC – FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA FLORIANOPOLIS / SC 4 4
86728 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRB – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CRUZ DAS ALMAS / BA 4 4 4
91005 ENGENHARIA FLORESTAL Privada PIT TEIXEIRA – FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS TEIXEIRA DE FREITAS / BA 4 3
91345 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UESB – UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA VITORIA DA CONQUISTA / BA 3
96436 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFSCAR – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS SAO CARLOS / SP 4 5 5
98618 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UERR – UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA BOA VISTA / RR
99718 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFPI – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ TERESINA / PI 4 4 4
99839 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFAC – UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE RIO BRANCO / AC 2
100344 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEG – UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS ANAPOLIS / GO 4
100768 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFMT – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CUIABA / MT 5 4 4
103388 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFSM – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SANTA MARIA / RS 5 4 4
103453 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UNIPAMPA – FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA – UNIPAMPA BAGE / RS 3 4
109788 ENGENHARIA FLORESTAL Privada PUCPR – PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURITIBA / PR 4
110746 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFT – FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PALMAS / TO 3 3
112566 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UTFPR – UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURITIBA / PR 4
113561 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFOPA – UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ SANTAREM / PA 2
114894 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFPA – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BELEM / PA 3
116734 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UNIR – FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PORTO VELHO / RO 3
116762 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRN – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL / RN 4
121513 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFMG – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE / MG 4
123425 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFG – UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GOIANIA / GO
123562 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEMS – UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL DOURADOS / MS
1102649 ENGENHARIA FLORESTAL Federal IFNMG – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO NORTE DE MINAS GERAIS MONTES CLAROS / MG
1109270 ENGENHARIA FLORESTAL Privada CESEP – CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO MACHADO / MG 4
1110645 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFG – UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GOIANIA / GO
1111850 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFMS – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CAMPO GRANDE / MS
1127377 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFERSA – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO MOSSORO / RN
1146839 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEAP – UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ MACAPA / AP 3
1160216 ENGENHARIA FLORESTAL Federal IFMT – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CUIABA / MT
1160990 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRA – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA BELEM / PA
1168552 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRA – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA BELEM / PA
1184098 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFSC – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANOPOLIS / SC
1186268 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFOPA – UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ SANTAREM / PA
1208279 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEMA – UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO SAO LUIS / MA
1265584 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEPA – UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BELEM / PA
1265588 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEPA – UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BELEM / PA
1265589 ENGENHARIA FLORESTAL Estadual UEPA – UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BELEM / PA
1266255 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS MACEIO / AL
1268240 ENGENHARIA FLORESTAL Privada PUCPR – PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURITIBA / PR
1270679 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFRA – UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA BELEM / PA
1276563 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFSJ – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI SAO JOAO DEL REI / MG
1276595 ENGENHARIA FLORESTAL Federal UFU – UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UBERLANDIA / MG

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support